Vox Patriae

Julho 09 2009

O próximo mês de Setembro, como em todos os anos, marca o início de mais um ano lectivo. Este ano há mais do que isso, há eleições legislativas! O país está, hoje, a pouco mais de dois meses de um novo Parlamento e de um novo Governo. Neste momento, em que termina o ano lectivo 2008/09 e se vislumbram as férias, importa reflectir acerca de do que se foi passando nos últimos tempos, do que se passa hoje e do que, provavelmente, acontecerá muito em breve.

 
Qual o balanço destes últimos anos? Infelizmente está longe de ser positivo! Vejamos que em quatro anos tivemos um Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior que se ficou pela Ciência e Tecnologia: Não é admissível a falta de diálogo entre Governo e Associações de Estudantes e órgãos de gestão das faculdades; não é aceitável a reduzida fatia do orçamento para Ensino Superior e Investigação, factores essenciais de competitividade; Não se admite a existência de um Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior (RJIES) que exclui os alunos dos órgãos de decisão e, no fundo, dificulta a gestão das universidades e faculdades. Em quatro anos ouvimos as palavras “competitividade”, “inovação” ou “avanço tecnológico” vezes sem conta… O facto é que “palavras, leva-as o vento”: Hoje, mais do que nunca, é necessário agir, e agir rápida e incisivamente nos mais graves problemas dos estudantes do Ensino Superior.
 
O que temos hoje? Hoje, o Governo acorda para a vida e apresenta um conjunto de propostas no último debate quinzenal, de apoio aos estudantes do Ensino Superior. São medidas positivas, sem dúvida, mas são avulsas e motivadas por juízos de oportunidade eleitoral. O que nós, estudantes portugueses, precisamos é de um verdadeiro programa de apoio aos colegas mais desfavorecidos e aos colegas que se deslocam quilómetros, diariamente, para assistir às aulas, tal como eu; nós, estudantes portugueses, precisamos de força junto dos órgãos de gestão das universidades e das faculdades, com um novo RJIES; nós, estudantes portugueses, precisamos de uma adaptação eficaz do Processo de Bolonha, de forma a que os licenciados pós-bolonha não sejam discriminados no acesso ao primeiro emprego; nós, estudantes portugueses, precisamos de instituições com infra-estruturas físicas e materiais de qualidade, para as quais é necessário financiamento adequado; nós, estudantes portugueses, precisamos, no fundo, de mais e melhores políticas de Ensino Superior!
 
Setembro aproxima-se e o que nos espera? Uma campanha eleitoral em que se vai falar de crise, de desemprego, de défice e orçamentos e de casos polémicos. Matérias relativas ao Ensino Superior ficarão, como sempre, para segundo plano. De um lado vamos ouvir um coro de críticas à política seguida pelo actual Governo, do outro lado ouviremos o já enfadonho discurso das medidas reformistas que, no caso dos estudantes portugueses, se resumiram a estas alterações de última hora, anunciadas a semana passada, no Parlamento.
 
Temos, assim, que o diagnóstico não é o mais feliz. Agora que entramos num período eleitoral muito preenchido resta-me, através deste louvável espaço de intervenção, apelar aqueles que disputarão as eleições legislativas uma preocupação especial com as políticas de Ensino Superior… “Avançar Portugal” exige uma população formada, Sr. Sócrates; Uma “Política de Verdade” só é possível se exercida ao lado dos estudantes portugueses, Dr.ª Ferreira Leite; Dr. Louçã, Dr. Portas e Sr. Jerónimo de Sousa, também queremos saber aquilo que têm a propor!
 
Em suma, o que quero significar é que se o que temos não é o que queremos, a responsabilidade de mudar algo parte, também, de nós: Por isso é necessário participar, nestes próximos dois meses… Participar, promovendo debates ou tertúlias nas nossas associações de estudantes sobre políticas de ensino superior; Participar, se militantes de algum partido, fazendo valer o seu ponto de vista junto daqueles que se propõe governar o país; Participar, escrevendo no RGA e enviando cada contributo para meios de comunicação como este ou outros; Participar, no fim de tudo isto, votando. Sublinho o voto, enquanto momento de participação cívica solene, consagrada constitucionalmente: Calar é consentir no estado de coisas: Participa, fala, Vota! Por um melhor Ensino Superior, por uma melhor vida para os estudantes portugueses, mas sobretudo, por um melhor país, um maior Portugal!

 

Publicado aqui

publicado por André S. Machado às 14:17

Um blog de André S. Machado
Julho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
17
18

19
20
21
23

29
30
31


Ligações
Pesquisa
 
subscrever feeds
blogs SAPO